Infecção urinária

 Em Doença infecciosa

Infecção urinária

infeccao-urinaria-600x400

A infecção urinária é uma das doenças infecciosas que mais afetam a população geral, predominando em pessoas do sexo feminino. Estima-se que 80% das mulheres sofrerão desse quadro infeccioso pelo menos uma vez na vida.

Apesar de os sintomas serem facilmente identificados em grande parte dos casos, a infecção urinária deve ser diagnosticada e tratada por um médico especialista, para evitar que o problema evolua e cause outras complicações.

O que é infecção urinária

Como o nome sugere, a infecção urinária é um processo inflamatório que ocorre em qualquer parte do aparelho urinário, como a bexiga, os rins, a uretra e os ureteres. Isso acontece quando microrganismos alcançam esse sistema, encontrando um ambiente propício para sua proliferação.

O tipo mais comum de infecção urinária é a cistite, que ocorre na bexiga. Já a infecção que atinge os rins, chamada de pielonefrite, é considerada a mais severa, pois, se não tratada corretamente, pode levar à insuficiência renal.

Causas e sintomas

Na maioria dos casos, a infecção urinária é causada por bactérias presentes no trato gastrointestinal, que migram para o sistema urinário durante as relações sexuais ou devido à falta ou excesso de higiene pessoal, à contenção de urina por um longo período ou a problemas intestinais.

A prevalência desse quadro infeccioso em mulheres normalmente acontece por causa de questões anatômicas: a uretra feminina é mais curta do que a masculina e fica mais próxima ao ânus, o que facilita a entrada de bactérias do intestino no trato urinário.

Há também outros fatores de risco como diabetes, disfunção hormonal, má formação do aparelho urinário, baixa imunidade e histórico familiar. Além disso, mulheres grávidas ou na menopausa devem redobrar a atenção por conta das alterações naturais do organismo nessas fases, que podem facilitar a proliferação de bactérias.

Os principais sintomas da infecção urinária são ardência ao urinar, vontade frequente e repentina de ir ao banheiro, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga, urina com sangue e alterações na urina, como coloração escura e odor forte. Em casos mais graves, a doença pode causar dor lombar, febre alta, calafrios e mal-estar.

Algumas pessoas não apresentam sintomas de infecção urinária, sendo definidas como portadoras de bacteriúria assintomática. Para detectar o problema, é preciso observar mudanças nos aspectos característicos da urina, como a cor e o cheiro.

Prevenção e tratamento

Aumentar a ingestão de líquidos, higienizar adequadamente a região genital, urinar antes e depois das relações sexuais e evitar manter a bexiga cheia por muito tempo são alguns dos cuidados que podem auxiliar na prevenção da infecção urinária. Essas medidas também são benéficas durante o tratamento.

O diagnóstico dessa doença é feito com base nos sintomas clínicos e na realização de um exame chamado urocultura com antibiograma, que ajuda a detectar o tipo de bactéria ou fungo responsável pelo quadro infeccioso e a identificar o medicamento mais apropriado.

Ao ser confirmada, a infecção urinária geralmente é tratada com o uso de antibióticos, que devem ser prescritos pelo seu médico. Caso o microrganismo seja resistente ao medicamento, recomenda-se a alteração do fármaco, das doses ou da duração do tratamento, variando conforme o grau da infecção e o agente causador.

As mulheres que apresentam infecção urinária de repetição – caracterizada pela ocorrência de dois episódios em seis meses ou três ou mais em um ano – devem passar por consultas periódicas para uma investigação mais detalhada e a elaboração de uma estratégia de tratamento preventivo, que, em geral, consiste na utilização de doses baixas de antibiótico durante um período determinado.

Ginecologista Obstetra Mastologista

SE VOCÊ SENTIR ALGUM DOS SINTOMAS CITADOS NO TEXTO PROCURE A SUA GINECOLOGISTA PARTICULAR E PARA ENTRAR EM CONTATO COM A DRA FERNANDA LIGUE PARA :

A infecção urinária é mais frequente nas mulheres e, apesar de os sintomas serem facilmente identificados, precisa ser diagnosticada e tratada por um médico especialista.